• Carlos MSilva

Fazer isto Hoje para ter uma Equipa na Próxima Época...

Atualizado: 26 de Nov de 2019

Coooach,

Talvez este seja um dos maiores problemas que tenho encontrado nos treinadores que querem ser profissionais! Ainda me lembro quando comecei o meu percurso como treinador profissional.


Tratei a minha profissão e o meu negócio como a maior parte dos treinadores, ou seja, como se não fosse um negócio.


Dirigi-me a alguns amigos e "rezei" para que fosse o timing certo e o meu posicionamento como adjunto fossem suficientes para ter a sorte de entrar e ganhar uns trocos a fazer aquilo que gostava.

A minha estratégia foi ligar rapidamente para quem conhecia que já estava na prática.


Passados alguns meses, e depois de ganhar alguns trocos, o que ganhava não era suficiente para viver de treino.

O meu ordenado era baixo e a minha atitude acompanhou o meu ordenado, passando a ser muito baixa também. Comecei então a culpar tudo e todos pela minha falta de sucesso.

Parti do pressuposto que fazer um curso de treinador me daria o acesso a um trabalho digno e remunerado.

Comecei a culpar a atividade, os clubes, as federações, por não valorizarem a atividade da formação e não pagarem o suficiente. Deixei de conhecer pessoas novas em outros clubes. Não sentia o respeito porque era novo. Culpava a economia e o país. Culpava todos, menos a mim mesmo.

Mas dentro de mim existia um grande dilema. Reclamar e culpar tudo à minha volta não resolvia o problema nem pagava as contas.

Eu não queria fazer mais nada para além do treino e já tinha desistido de fazer qualquer outra coisa para ser remunerado. A única alternativa que estava na minha mente era criar forma de ganhar mais com o treino.

Então cheguei à ideia de que acumular equipas de formação seria uma solução. Durante 2 anos trabalhava em várias equipas e chegava tardíssimo a casa.

Fins de semana sem família e problemas relacionais porque não tinha tempo para estar numa relação por trabalhar em tempos pós-laborais momentos em que a maioria das pessoas têm as suas folgas.

Após esses 2 anos estava mais que desmotivado. Tinha perdido a esperança, praticamente.


Mas foi nesse momento que algo aconteceu. Na realidade foi a combinação de duas coisas.


1- Primeiro notei que a autoridade de uma pessoa entendida num assunto vinha da sua especialização numa determinada área em que se tornava provavelmente o melhor nessa área.

Apercebi-me que ser altamente especialista numa área ajuda as pessoas a reconhecerem esse especialista.


2- Segundo comecei a notar que os treinadores que chegavam mais longe na carreira não eram só bons em treino mas que eram sobretudo, bons em relações, em networking (criar redes de trabalho em que conseguiam mostrar o seu valor).

Então fez-se luz na minha mente.

Eu poderia tornar-me especialista em networking, isto é, em criar redes de relacionamento no trabalho que me ajudassem a expandir os meus contatos para mostrar que era especialista na minha área especifica de atuação dentro do treino (naquela altura a minha área de especialização era de adjunto tático)

Até àquele momento eu andava sempre à procura de atalhos. Ou de telefonemas para amigos me arranjarem um lugar ou de uma oportunidade que surgisse nas redes sociais.


No fundo estava à procura de contar com a sorte e tinha medo de perder a oportunidade se esta não surgisse logo.


Muitas das vezes só no final da época é que começava a pensar no que teria que fazer para ter clube para a próxima época.

Mas de repente tudo mudou. Entendi que a sorte dos que sabiam fazer isto não surgia do nada.


O timing e o meu posicionamento eram demasiado importantes para o curto espaço de tempo mas se queria pensar a longo prazo tinha de investir em especializar-me em networking (criar redes de trabalho em que conseguia mostrar o meu valor).

A decisão de me direccionar para a minha capacidade de especialização em networking fez mudar a minha vida.


E por isso desenvolvi um método para ensinar os princípios fundamentais que vai levar o treinador a ser um profissional na sua área (de negócio) seja ela tática, como principal, como preparador físico, como acompanhamento personalizado, seja qual a função for.

Um treinador que trabalha e recebe por "dar" treinos tem de ver a sua atividade como um negócio. Seja um negócio em part-time (hobbie) ou em full-time (profissional).


E esses princípios foram muitos úteis para mim na última década e sei que também vão ser importantes para ti. Por isso, irei partilhar alguns princípios de como treinador me posso posicionar no mercado, e partilho isso numa Masterclass online.


E uma pergunta que normalmente ocorre nesta fase é, mas Carlos, não estou no momento de me preocupar com a minha próxima época, nem como os diretores ou de como os clubes me vêm no mercado, porque as transferências e o recrutamento só acontecem quando as épocas estão quase a acabar.


E normalmente a resposta que me surge é que sim, nessas fases é o momento da decisão final de quem escolhem.


Mas durante o ano é preciso saber criar relações efetivas de trabalho porque quem tem de tomar decisões para te escolher a ti para a sua equipa, vai decidir no final da época dependendo do que tu criaste na mente dele quando? Durante a época.


É por isso que está na hora de começar a trabalhar o teu posicionamento para a próxima época enquanto treinas e obtém resultados nesta época.


É como se estivesses a preparar o treino de amanhã, enquanto ainda fazes o treino de hoje, procurando resultados no treino de hoje, mas sabendo que existe ligação com o que vais treinar amanhã.


A única coisa que muda é a escala.


Enquanto trabalhas para obter resultados esta época, estás a preparar o posicionamento para entrar na próxima época onde queres entrar. Por isso deixo aqui o link para entrar:

Masterclass Online

» Como um Treinador se Pode Tornar Profissional ou Mais Produtivo? «


Forte Abraço, Carlos MSilva